Vaca Amarela Editorial: a nova mania da UDN

14 de dezembro de 2011

VACA AMARELA: A sra. Tucanhede jura que não disse nada.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro presidente Zezinho, tem o poder de influenciar importantes veículos de comunicação em todo Brasil.
Agora, o Presidente de Nascença inspirou o surgimento de uma nova moda entre os sempre felizes e bem-humorados udenoperiodistas.
Trata-se da brincadeira Vaca Amarela Editorial, que é a nova sensação nas redações dos órgãos de imprensa mais vendidos do Brasil.

Regras
A ingênua brincadeira tem a singeleza das brincadeiras de um tempo bom que não volta mais. Para participar, basta apenas um livro, e as redações pasquiudenistas têm usado a biografia do pres. Zezinho.

Não há limite máximo para o número de participantes. No mínimo, quatro são necessários.

IMORTAL: O jornalista de programa Merdoval Pedreira disse que seria descabido ele perder a brincadeira, porque nunca se interessou por livros.

As regras são simples. Um dos participantes é o “Patrão”. Tudo se inicia com ele escolhendo outro participante para ser o “Editor”. Os demais participantes serão os “Jornalistas”.

Para começar a brincadeira, o “Editor” fala o nome e mostra um livro, seguido da frase “Vaca Amarela é a linha editorial: quem falar primeiro, sai da bosta do jornal”. Os demais participantes (“Jornalistas”) devem passar a falar sem parar, mas não podem falar do livro ou de seu autor, nem tocar em nenhum assunto que vagamente refira-se ao livro.

MUNDO ANIMAL: A biografia do pres. Zezinho tem inspirado outras brincadeiras nos jornais da UDN.

Quando o “Patrão” avaliar que um participante cometeu esse erro deverá dizer ao “Editor” a palavra “demita” seguida do nome do participante. Então, o “Editor” pegará o “Jornalista” pelo braço e o conduzirá para fora da sala, gritando: “você está despedido!”.

A brincadeira acaba quando não houver mais “Jornalistas” na sala ou quando o livro desmanchar-se no ar.

Mania

A brincadeira caiu nas graças de jornalistas de programa e dos progressistas empresários de comunicação. Com isso, tornou-se obrigatória sua prática em todas as redações das grandes empresas jornaloudenistas brasileiras.

QUADRILHA: Nas próximas festas juninas da UDN, a fogueira vai ser feita com um livro mentiroso.

Comentário da tia Carmela
O Zezinho sempre gostou dessa brincadeira de vaca amarela. Ele o Reinaldinho Cabeção gostavam muito de brincar disso com os moleques da turma deles. Mas só valia quando era o Zezinho quem falava “vaca amarela cagou na panela quem falar primeiro come toda a bosta dela”. Uma vez, o Zezinho falou “vaca amarela…” e o Reinaldinho Cabeção ficou três dias sem dizer uma palavra, nem em casa nem na escola. Por isso, em geral o Reinaldinho Cabeção sempre ganhava, porque ele obedecia tudo o que o Zezinho mandava ele fazer. Só uma vez se distraiu e falou na hora da vaca amarela. Nesse dia, o Zezinho não teve dúvida: pegou um prato de bosta de vaca e deu para o Reinaldinho Cabeção comer. O moleque já ia começar a comer, quando o Zezinho disse: tudo bem, não precisa comer a bosta. Ela vai ser mais útil como adubo…