Ciência udenista: Pres. Zezinho influencia campo magnético da Terra

9 de agosto de 2012

OBRIGADO! O pres. Zezinho é a última esperança para nos livrar da terrível tempestade de raios vermelhos cósmicos.

O campo magnético da Terra, indispensável à existência da vida, é mais uma das contribuições do Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, ao engrandecimento da Pátria e da Humanidade.

Sempre modesto, o Presidente de Nascença sempre evitou que esse segredo vazasse para o público, e o mantinha guardado no mesmo cofre onde seu priminho Preciado costuma guardar uns documentos.

Entretanto, em um arroubo de admiração e quase veneração, seu assessor para assuntos propinoviários, Sr. Paulo Caixa Preta Dois, não se conteve e revelou ao público que o Almirante do Tietê possui inauditas propriedades magnéticas.

ASTROMAGNETISMO: Os cientistas da UDN estão pesquisando a capacidade do pres. Zezinho de atrair estrelas decadentes.

Segundo as declarações recentes desse prócer do financiamento udenista, o magnetismo do Maior dos Filhos da Mooca teria sido empregado por ele para guiá-lo em seu trabalho como dirigente da estatal paulista DEPRA – Desenvolvimento Propinoviário S.A.

Em suas viagens pelo estado para fiscalizar as obras propinoviárias, o Sr. Paulo Caixa Preta Dois orientava-se pelo campo magnético emanado pelo pres. Zezinho: “ele era minha bússola, quando eu estava na direção da DEPRA”.

 Graças a essa propriedade do Grande Líder da Nação, o Sr. Paulo Caixa Preta Dois sempre conseguiu encontrar os melhores caminhos para as obras propinoviárias a seu cargo, como a obra do Roubanel e a ampliação da Av. Marginal Serra.

Todas, é claro, foram feitas tendo o norte  fornecido magneto-propinoviariamente pelo Presidente de Nascença.

Ou seja, em São Paulo, todos os caminhos propinoviários levam ao pres. Zezinho.

Blindagem

Estudos desenvolvidos pelo grande físico José Goldenmerd (GOLDENMERD, 2012) comprovam as afirmações do Sr. Paulo Caixa Preta Dois. O eminente líder da ala científica da UDN foi além: o pres. Zezinho desempenha papel fundamental para a manutenção do campo magnético do planeta, sem o qual não poderia existir vida, pois ele funciona como uma blindagem que repele a radiação solar.

SILÊNCIO: Os cientistas da UDN recusam-se a comentar a enorme atração do pres. Zezinho sobre a Srta. Francine De L’Herbe (DIREITA).

Isto confirma a tese já apresentada por outros pesquisadores (RIBEIRO JR., 2011) de que o pres. Zezinho teria um enorme poder de repulsão, com seu magnetismo funcionando como uma blindagem contra denúncias. Essa mesma propriedade também protegeria a casa do pres. Zezinho que, a despeito dos constantes vazamentos, ainda não caiu.

Outros autores (NASSIF, 2012 e ROSÁRIO, 2012), têm demonstrado que a capacidade de repulsão do Maior dos Homens Públicos estaria sofrendo uma mutação e, ao invés de repelir ameaças, o estaria deixando vulnerável a ataques por meio de artefatos de papel. Também estaria repelindo indevidamente parte dos eleitores infantis paulistas, sempre fiéis ao Almirante do Tietê.

Heroísmo

Mas parece que as contribuições do pres. Zezinho não param por aí. Dos nauseabundos esgotos da Caverna do Ostracismo têm escorrido outras versões.

EXEMPLO EDUCATIVO: O pres. Zezinho é um modelo para os eleitores infantis paulistas.

Segundo fontes científicas da UDN, o Maior de Todos os Brasileiros realizou um grande ato de heroísmo magnético há 39 anos. Ao deixar o Chile após concluir obter seu diploma de enologia na Universidad Concha y Toro, o pres. Zezinho, abnegadamente, preferiu ir para os EUA e não para a Europa.

Mantendo-se mais ou menos na mesma longitude (ou seja, no mesmo fuso horário), evitou uma catástrofe. Uma mudança de sua localização no sentido longitudinal poderia tornar oblíquo o eixo do campo magnético da terra, alterando a localização dos pólos e gerando um desastre climático de graves consequências.

Outros udenistas comentam à boca pequena que as capacidades magnéticas do pres. Zezinho são tão fortes que ele é capaz de atrair materiais sobre os quais os ímãs normais não têm capacidade de atração. Como exemplo, citam que o magnetismo do Presidente de Nascença foi capaz de atrair para São Paulo cachoeiras localizadas em Goiás.

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: Importantes autoridades do MPE – Magnetismo Público Eleitoral também estão submetidas à magnética influência do pres. Zezinho e levarão um pratinho de curau para a festa junina da UDN.

O Zezinho sempre gostou de brincar com ímãs. Uma vez, ele arrumou dois ímãs e colocou nas luvas que usou para ir à escola, era inverno e ele usou umas luvas de lã que a mãe dele tinha feito. Na hora do intervalo, os moleques iam comprar doce na cantina, cada um com suas moedinhas. O Zezinho mandou os moleques segurarem as moedinhas na palma da mão e começou a contar vantagem, dizendo que apostava que tinha o superpoder de atrair as moedinhas com as mãos. Aí ele ia passando a palma da mão sobre as mãos dos moleques e as moedinhas grudavam nas mãos dele. Ele encheu o bolso. Só que um menino ficou muito triste porque o Zezinho tomou a moedinha dele e foi contar para o irmão, que já estava no ginásio. O irmão logo entendeu qual era o truque e, no dia seguinte, esperou o Zezinho na saída da escola e fez ele devolver as moedinhas dos moleques todos. Só o Reinaldinho Cabeção que não quis que ele devolvesse, e falou: pra mim você não precisa devolver, Zezinho; eu acredito nos seus superpoderes magnéticos. Quando o pai do Reinaldinho Cabeção soube, deu uma coça no moleque para ele deixar de seu trouxa, mas o ele continuou repetindo, enquanto apanhava, que o Zezinho tinha superpoderes.


Desmentido: pres. Zezinho não sofre de Alzheimer

13 de outubro de 2010

Time de vencedores: o sr. Paulo Caixa Preta foi o gerente do Robanel, maior obra do gov. Zezinho. Mas o pres. Zezinho tem 4 milhões de razões para esquecer esta foto.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro Pres. Zezinho, foi vítima de mais um dos terríveis boatos lançados contra ele pela campanha da usurpadora-mirim do planalto.

Desta vez, o Presidente de Nascença foi acusado de apresentar uma terrível doença, o Mal de Alzheimer.

A sórdida armação valeu-se de um incomum, ainda que pequeno lapso de memória do Mais Competente dos Gestores, que esqueceu-se que conhecia um obscuro ex-colaborador.

O colaborador em questão é o sr. Paulo Caixa Preta, 2 vezes injustamente esquecido.

Indagado sobre o sr. Paulo Caixa Preta 2 vezes no último domingo, o Presidente de Nascença não se lembrou do desconhecido assessor.

No dia seguinte, o sr. Paulo Caixa Preta 2 vezes foi à imprensa dizer que certamente o pres. Zezinho cometera um lapso involuntário, e que se oferecia gentilmente a lembrar-lhe detalhes de sua produtiva relação política, profissional e pessoal, inclusive mandando ternas fotografias.

Ao ver a reportagem, imediatamente o Mais Honesto dos Políticos levou a mão à cabeça: “Puxa vida! Como eu fui esquecer dele?! É o Paulinho Caixa Preta, 2 vezes meu amigão, 2 vezes gente boa! Nunca fez nada errado! Mais inocente que ele, só minha filha!”

Um pouco envergonhado, e com a humildade que somente os iluminados podem ter, o Presidente de Nascença ligou imediatamente para o sr. Paulo Caixa Preta 2 vezes para pedir-lhe desculpas e perguntar se estava faltando alguma coisa.

O pres. Zezinho (direita) fez pregação contra o aborto junto com o sr. Paulo Caixa Preta 2 vezes, mas o pres. Zezinho tem 4 milhões de motivos para esquecer esta foto.

Entretanto, o esquecimento é justificado. O sr. Paulo Caixa Preta 2 funções desimportantes ocupou no governo estadual durante a gestão do Maior dos Engenheiros Pátrios: foidiretor da DERSA e responsável pela maior obra viária do governo, o Robanel Mario Covas. Entre suas responsabilidades pouco importantes, estava negociar com as empreiteiras, aprovar seus relatórios e aprovar os pagamentos a elas. Tarefas, como se sabe, absolutamente burocráticas que podem ser feitas por qualquer humilde barnabé.

Antes de cumprir essa inglória tarefa, o sr. Paulo Caixa Preta 2 vezes havia sido assessor de lideranças da UDN: do ex-sábio FHC na presidência da república e do senador eleito Aloysio Biggs de Oliveira.


Parece que Paulo Caixa Preta 2 brothers tinha na Camargo Correia.

Segundo a revista mais vendida do Brasil, o sr. Paulo Caixa Preta 2 grandes talentos tem. Além de engenheiro, também desempenhou um importante papel na novela Castelo de Areia, representando o papel de um rapaz que tinha muitos amigos nas empresas de construção civil.

Imprensa acaba com boato


Aloysio Biggs teve 300 mil motivos para sair correndo preocupado ao ouvir o nome do sr. Paulo Caixa Preta 2 vezes no debate.

Ao saber da boataria, a democrática e ética imprensa nacional imediatamente mobilizou-se para desmenti-la. Com o esclarecimento do assunto, caminhões carregados de um pó branco tem chegado às redações dos jornais e revistas mais vendidos do Brasil. Os jornalistas de programa apressam-se em utilizá-lo, jogando muitas pás de cal sobre o assunto. Merdoval Pedreira, ainda com a pá na mão, pontificou: essa história de Alzheimer é uma notícia totalmente descabida.

Nessa operação, nossos bravos homens da verdade, tão atarefados, não tiveram tempo de noticiar que não foi a primeira vez que o pres. Zezinho esqueceu-se de algo em sua campanha: antes, já havia esquecido que foi ministro do planejamento e privatizações do ex-gênio FHC, que Jamil Haddad foi o criador dos genéricos, que era parente de Gregorio Preciado Marin, entre outros.

Segundo fontes da Caverna do Ostracismo, esses esquecimentos seriam fruto de outro mal, igualmente terrível: O Mal de Munchausen, doença terrível descoberta pelo importante cientista e estatístico germano-brasileiro Barão de Munchausen, que lhe deu o nome.

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: Aloysio Biggs fez festas juninas em homenagem a seu amigo Paulo Caixa Preta 2 vezes, e aproveitou a fogueira para queimar uns papeizinhos.

Uma vez, lá na Mooca, o Zezinho resolveu organizar um teatrinho na escola para o Dia da Independência. Ele faria o papel de D. Pedro I. O Reinaldinho Cabeção faria o papel do cavalo dele. Como queria impressionar, o Zezinho resolveu que eles teriam que fazer um belo cenário e figurinos de época. Para isso, precisavam de dinheiro. Então ele teve uma ideia. Mandou o Paulinho, um menino da pesada da turma deles, pedir dinheiro para os meninos para quem o Zezinho sempre passava cola nas provas. Se não dessem, na próxima prova de matemática o Zezinho não passaria cola pra eles. Depois de uns dias, o Paulinho parou de ir à escola. O Zezinho mandou o Reinaldinho Cabeção ir pegar o dinheiro na casa dele, que ficava ali na Rua Jumana. O Reinaldinho Cabeção voltou chorando: ele não morava mais lá. Ninguém sabia pra onde eles tinham mudado. Quando foram averiguar, o Paulinho tinha recolhido 4 mil cruzeiros da época, e levado com ele…