Reações do Zezinho ao prêmio de Lula em Davos 1: o socorro a FHC

21 de janeiro de 2010

Após receber a notícia da premiação “Estadista Global” conferida ao presidente Lula pelo Fórum Econômico Mundial em Davos, o governador Zezinho tomou convocou sua assessoria para rápidas providências.

FHC: por que não eu?

FHC: por que não eu?

A primeira providência foi um costumeiro gesto de amizade e solidariedade, pontos fortes de seu caráter. O Mais Preparado dos Brasileiros ordenou o envio de uma equipe de resgate à Caverna do Ostracismo, para prestar eventual socorro e evitar que o ex-presidente e ex-pensador FHC fizesse mais alguma besteira. A equipe, composta por um grupamento de paramédicos, um cardiologista, quatro bombeiros, um atendente do CVV, dois psicólogos, um editorialista da FSP e cinco belas jornalistas deslocou-se até a desolada ermida de Higienópolis em um helicóptero UTI.

A cena que avistaram na chegada era deprimente: o ex-pensador estava em seu escritório, sentado em frente ao computador, em estado catatônico. A tela mostrava exatamente a notícia da premiação do Usurpador do Planalto por aquele seleto clube em que o ex-sábio sempre tentava entrar, mas era barrado na porta.

O cozinheiro Caetano: serviçal de FHC estava inconsolável

O cozinheiro Caetano: serviçal de FHC estava inconsolável

A seu lado, inconsolável, estava seu fiel cozinheiro Caetano, um antigo compositor baiano que trabalha na Caverna do Ostracismo em troca de um quartinho no fundo e comida.

O pobre cozinheiro chorava como criança e gritava: “Ingratos! Como ELES puderam dar esse prêmio àquele analfabeto e ignorar este grande homem?”

A equipe de resgate tentou várias técnicas para  reanimar o Estadista do Apagão, mas seu estado era tão grave que foi preciso muito esforço para que as cinco jornalistas reanimassem o ex-sabetudo, enquanto um dos bombeiros cuidava do cozinheiro Caetano, que ameaçava afogar-se nas próprias lágrimas.

Depois de duas horas de uma situação de muita tensão, monitorada minuto a minuto pelo compadecido Estadista do Rio Tietê,  finalmente os dois melhoraram. O editorialista da FSP deu uma caixa de lápis da Turma da Mônica  e um bloquinho de papel para o eminente ex-sociólogo, que, sentado no chão, pôs-se a escrever um artigo intitulado “O Populismo Barato de Davos”.  Caetano aproveitou a presença das jornalistas e pediu para dar uma entrevista bombástica. As moças, solícitas, ligaram seus gravadores, mas seu cansaço logo fez com que adormecessem. O cozinheiro continuou falando histericamente, mesmo assim. Repetiu várias vezes a frase: “Me pergunto quanto tempo levará para que todos vejam quem é esse Lula. A resposta, meu amigo, está no vento, que diz: um analfabeto sem classe!”

Quando tudo se acalmou, o governador Zezinho foi informado de que a situação se normalizara. Aliviado, reuniu seus assessores para tomar outras providências.

Comentário da Tia Carmela:

O Zezinho sempre gostou de brincar de pronto-socorro. Quando ele era criança, lá na Móoca, o amiguinho dele chamado Reinaldinho Cabeção de vem em quando ficava meio esquisito, caladão, sentado na guia da calçada em frente de casa. Quando o Zezinho ficava sabendo, chamava os outros meninos, vestia uma bata branca que o pai dele usava na barraca de frutas e iam correndo para a casa do Reinaldinho Cabeção. O Renatinho, filho do seu Nicola, ia na frente imitando ambulância: uóuóuó! Quando chegavam, o Zezinho dizia que era o médico chefe do resgate. O Reinaldinho Cabeção continuava caladão, não ligava para os meninos que chegavam. Aí o Zezinho gritava: o caso é grave, tratamento de choque! E os meninos começavam a bater no Reinaldinho Cabeção, até ele sair correndo pra dentro de casa. E o Zezinho ria a valer…

Anúncios

Zezinho em Kopenhagen 5: Penetra em festas com seu novo amigo

18 de dezembro de 2009

A estada do Governador Zezinho na romântica capital dinamarquesa tem sido bastante agitada. Além de distribuir conselhos aos grandes líderes mundias sobre como lidar com a mudança climática e o problema das inundações, o Mais Preparado dos Brasileiros também fez novos amigos e com eles divertiu-se muito na noite nórdica.

A noitada incluiu os festivos bares da cidade, onde foram recebidos alegremente

Acompanhado de seu novo melhor amigo, o ator Arnold S., o Presidente de Nascença dedicou-se a curtir os embalos de sexta-feira à noite em Kopenhagen, naquilo que a imprensa internacional, em sua intensiva cobertura da presença do Gov. Zezinho na COP15, está chamando de Fredag Aften Feber.

O Inalcançável Cérebro e seu musculoso amigo iniciaram sua noitada com um passeio no Tivoli Park. Depois, resolveram aquecer os motores em bares da capital do reino.  Sendo a última sexta-feira antes do Natal, os bares da cidade encontravam-se lotados. Em vários deles ocorriam as famosas festas de fim de ano da firma. Os dois amigos participaram ativamente da festa de uma editora, uma empresa de administradora de rodovias e uma terceirizadora de mão-de-obra. Confraternizaram com os dinamarqueses, que adoraram a inesperada visita do Mais Aclamado dos Filhos do Brasil. Em um dos bares, a notícia da presença dos dois festivos colegas espalhou-se rapidamente e o afluxo de pessoas foi tal que causou um congestionamento nas cercanias.

O amigo do Gov. Zezinho dançou com a noiva e mostrou que é um pé-de-valsa.

Há vinte minutos a BBC internacional interrompeu sua programação para informar que o Mais Californiano dos Brasileiros e seu amigo ator Arnold S. foram vistos entrando em uma elegante festa de casamento nas cercanias do Palácio Real de Kopenhagen. A reportagem britânica averiguou que ambos não haviam sido convidados mas, graças ao enorme prestígio internacional do Mais Preparado dos Brasileiros, puderam entrar e foram colocados nos lugares de honra da festa.

Lars Løkke Rasmussen

O pai da criança batizada pelo Gov. Zezinho: foi uma honra enorme!

Após ficarem cerca de 40 minutos na festa e se revezarem em dançar com a noiva, os dois animados camaradas partiram em busca de mais aventuras na gelada noita danesa, para eles bastante quente. Segundo a TV dinamarquesa Kanal 4, que designou uma equipe para acompanhar o Novo Chico Mendes no país, a dupla caminhou um pouco pela rua e logo entrou em uma outra festividade, desta vez um batizado. Novamente a cena se repetiu: ao ver tão ilustre visitante chegando, os anfitriões esqueceram os convidados e dedicaram-se a agradar o Mais Sustentável dos Economistas e, por cortesia, seu acompanhante.

Após jantarem e beberem uma garrafa de vinho, os dois convivas decidiram novamente partir, para tristeza da família, que apenas aceitou a partida depois que o Gov. Zezinho concordou em ser o padrinho da criança. Entrevistado pela TV dinamarquesa, o pai da criança, Lars Rasmussen, declarou ser esta a maior honraria que poderia ter tido em sua vida. 

Segundo a CNN, além dessas duas festas, a dupla  também conseguiu entrar como penetras em mais duas festas de casamento, uma festa de bodas de ouro e uma conferência da ONU.

As armadilhas da noite dinamarquesa assustaram a assessora de comunicação do Gov. Zezinho

A incursão na noite danesa trouxe problemas para o Gov. Zezinho no plano doméstico.  No saguão do hotel onde se hospedaram, em uma aprazível e romântica avenida de Kopenhagen, uma assessora de comunicação,  integrante de destaque de sua comitiva oficial, mostrava-se bastante contrariada. Segundo pessoas que assistiam a cena, ela reclamava que o Gov. Zezinho não poderia ter saído para divertir-se com seu camaradinha fortão, sem fazer-se acompanhar de sua assessoria de comunicação. “Pode ser perigoso,” ela dizia, visivelmente nervosa. “Ele pode cair em alguma armadilha”. O experiente assessor Reinaldinho Cabeção tentava consolar a jovem e novata assessora de comunicação dizendo que era assim mesmo, às vezes o Duce da Móoca gosta de dar umas escapadinhas para se divertir.


Comentário da tia Carmela:

Isso de gostar de entrar de bicão em festa dos outros, eu cansei de ver o Zezinho fazer. No casamento da minha prima Luciana, por exemplo, ele chegou com mais dois amiguinhos. Um eu até acho que era o Reinaldo Cabeção, mas não tenho certeza, agora. Eles já eram mocinhos, deviam estar no fim do ginásio. Chegaram, todos arrumadinhos, cabelo com topete cheio de brilhantina, porque naquela época eles ainda tinham bastante cabelo, e foram entrando como quem não quer nada. Minha prima não tinha convidado os dois, e a maior parte da festa nem conhecia. Meu tio Cláudio percebeu e quis colocar os meninos pra fora, mas a tia Flávia, que era muito boazinha, não deixou.  Eles foram os últimos a sair da festa, tomaram tanta cuba libre que deram vexame no final…


@ZeSerra garante emprego de Arruda e lança sua candidatura a seu vice.

28 de novembro de 2009

O demoarruda avisou a todos: agora estou protegido.

Sempre piedoso e generoso, o Presidente de Nascença informou que o cleptogovernador do DF,  sr.  Demoarruda Bauducco (PFL-DF), não ficará desamparado depois de ser cassado injustamente por distribuir rendas e guloseimas  entre seus amigos e si próprio.  @ZeSerra informou que o grande gestor do DF   não ficará desempregado e se recuperará, sob as asas cálidas do Maior dos Benfeitores dos Políticos Esquecidos, das maldades feitas contra ele.

Durante o período entre sua saída pela porta dos fundos do Palácio dos Buritingas e sua entrada triunfal no Palácio dos Jaburus,  o cleptodemo receberá uma ajudinha de custo modesta para coordenar o Programa Panetone São Paulo, iniciativa de distribuição de panetone benzido para os pobres de São Paulo, o novo programa social do Mais Benevolente dos Homens Públicos.

A informação partiu do próprio governador Zezinho, em post no twitter endereçado a este sobrinho da tia Carmela.

As emocionadas lágrimas de um injustiçado.

A honra da resposta deveu-se a um post em que eu perguntava ao Grande Defensor dos Injustiçados se o governador Arruda seria também agraciado com o seguro desemprego para políticos. Trata-se de mais uma genial criação do governador Zezinho, já concedido ao ex-senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT) e a seu assessor para serviços inglórios, Roberto Freire.

Leia a íntegra da resposta de @ZeSerra a seguir:

@ZeSerra: Resposta ao @byebyeserra: 1º Ele não ficará desempregado; 2º Ele será meu vice ano q vem; 3º Já ouviu falar em STF, Gilmar Mendes? #Trololo

Em milhões de lares do DF, a população acende velas em frente a imagens de Pai ACM.

O Sr. Demoarruda Visconti recebeu a informação em um terreiro em Salvador, para onde fora para pedir orientações de seu guia espiritual, Pai ACM, direto do Outro Mundo.  Na ocasião, Pai ACM estava incorporado em um de seus viúvos, um antigo compositor baiano que luta para recuperar seu lugar ao sol como assistente de produção de vídeos sobre o grande ídolo da ARENA romana, Agripino. Ao saber da  declaração do Mais Amado dos Políticos Brasileiros, a Sr. Demoarruda Di Cunto se disse mais aliviado e decretou o início da mudança da sede do governo do DF para a capital paulista, em edifício localizado na esquina da Rua Labatut com a Rua das Juntas Provisórias.

Segundo fontes do Palácio dos Bandeirantes, o governador Zezinho deverá ligar em breve para a cleptogovernadora do RS,  Yeda Crusius (PSDB), para informar a mudança de planos e o lançamento do sr. Demoarruda Village como  vice na chapa demotucana. Há poucos dias o Presidente em Aquecimento lançara o nome da Reserva Moral dos Pampas como sua vice.

Com a perda da vaga na chapa vencedora da próxima eleição, demotucanos mobilizaram-se para achar uma ocupação para a cleptogovernadora sulina. O Presidente Perpétuo da Associação Brasileira dos Ex-Sociólogos Geniais Aposentados, FHC, foi obrigado a convidá-la para abrigar-se com ele na Caverna do Ostracismo. Entretanto, há indicações de que ele está satisfeito com o desfecho do drama.  Fontes ligadas ao Eterno Presidente informam que há razões  mundanas envolvidas: FHC teria declarado que achava muito melhor  dividir a Caverna do Ostracismo com Yeda do que  com o azeredista a caminho da demissão por justa causa . Ainda comentou: Até que sou um belo prêmio de consolação pra ela, hein?…

Comentário da Tia Carmela:

O Zezinho sempre foi meio supersticioso. Desde criança, na Móoca, tinha suas manias: antes de jogar futebol ele dava uns croques na cabeça no Reinaldinho Cabeção. Quando o Reinaldinho reclamava, o Zezinho falava: é pra dar sorte; você quer que a gente perca? Também gostava de galhinhos de arruda. Quando ia espiar as meninas pela fechadura, ou quando tinha que colar na prova de Educação Moral e Cívica, sempre colocava um galhinho de arruda atrás da orelha…


Gov. Zezinho compra armamento em Bizâncio

22 de novembro de 2009

Os modernos armamentos comprados pelo grande estadista, que fortalecerão a defesa nacional.

Cansado de visitar o Nordeste em companhia de Dominguinhos, O Mais Preparado dos Brasileiros,  governador Zezinho, arrumou companhia melhor e foi fazer um giro na Europa no início de novembro. Neste recorrido, mostrou ao mundo que  as homenagens e elogios que o presidente Lula recebe têm destinatário indevido.

Recebido com entusiasmo nos países que visitou, o Presidente de Nascença teve uma agenda cheia de compromissos, mas encontrou tempo para aproveitar a beleza e o romantismo de Istambul, na Turquia.   Lá, teve mais uma oportunidade de mostrar seus dotes intelectuais avantajados a  quem acompanhou sua participação em  uma conferência de urbanistas.   Nessa sua visita à romântica e exótica Istambul também mostrou seus dotes no uso da língua inglesa, arrancando suspiros excitados de quem acompanhou sua visita.

O ponto alto de sua visita à Sublime Porta foi seu inesquecível desempenho negociando a renovação do armamento das Forças Armadas do Brasil. Nessa atividade, portou-se como o Maior Estadista da Nação: enquanto Lula leva 8 anos para comprar uns aviõezinhos da França, O Homem Que Sabe Tudo em apenas 3 minutos resolveu os problemas de rearmamento da defesa nacional. Em uma complexa negociação militar às margens do Bósforo, Zezinho comprou modernos mísseis terra-ar de um camelô turco e ainda ganhou um disco-voador de brinde.


Comentário da Tia Carmela:

O Zezinho sempre gostou de comprar coisas de turco. Quando ele já era menino, lá na Móoca, sempre gastava o dinheiro da mesada que o pai dava, coitado, com tanto sacrifício, em uns brinquedinhos fajutos que o seu Salim vendia no armarinho dele. Depois usava os brinquedinhos para convencer os meninos da rua a fazer as maldades que ele queria fazer mas não queria que ninguém soubesse. Uma vez deu um carrinho de corrida feito de madeira para o Reinaldinho Cabeção pra ele falar mal de outro menino na escola. Não é que o Reinaldinho Cabeção escreveu o nome do Zezinho no carrinho?


Robanel: Sarkozy avisou Serra sobre risco de desabamento

21 de novembro de 2009

Antes da estada na romântica e inspiradora Istambul, o mais recente périplo europeu do Presidente de Nascença  iniciou-se com uma passagem por Paris. Na Cidade-Luz dedicou-se às tarefas de estadista. Reuniu-se com o presidente da OCDE para dar-lhe algumas lições sobre como presidir uma organização internacional. Depois, encontrou-se com o presidente francês, Nicolas Sarkozy.

No encontro com Sarkozy o Suprassumo da Política Nacional repreendeu o gaulês pelos recentes acordos assinados com o governo brasileiro.   O Grande Governador Paulista disse ao dono do Ideafix que decisões dessa complexidade comprometem o país por décadas e ele, na condição de Futuro Maior Presidente do Brasil, deveria ser consultado e dar a palavra final. Sarkozy desculpou-se, de joelhos.

Sarkozy presenteou Zezinho com manual de prevenção de catástrofes

Outro ponto do encontro entre os dois grandes homens públicos foi a prevenção de desastres.  O presidente francês mostrou-se preocupado com o atraso das obras do Metrô de SP por conta do desabamento do túnel em Pinheiros, em 2007. Sarkozy suplicou ao Governandor-Presidente mais celeridade nas obras para que os trens da Alstom possam ser vendidos mais rapidamente. Como gesto de cortesia, entregou  a Serra um estudo apontando risco de desabamento  nas obras do Roboanel. O estudo foi elaborado pelo tradicional  Departamento  de Prevenção da Queda do Céu Sobre Nossas Cabeças, órgão do governo francês, criado durante o  governo de Abracurcix.  Apesar do mal-estar causado, o Mais Corajoso dos Políticos Nacionais conteve a irritação pela audácia e, polidamente, disse que tudo estava dentro da mais moderna técnica de construção civil, e que ele mesmo, como grande engenheiro que é, revisara os projetos.  Também disse que S. Paulo não devia nada em termos de prevenção de catástrofes a nenhum governo do mundo, graças aos serviços mediúnicos da Fundação Cacique Cobra Coral, por ele contratados para a tomada de decisões estratégicas. Ofereceu a Sarkozy um folheto de propaganda da prestigiosa entidade, dizendo: você devia contratá-los, também.

A nota triste do encontro foi a ausência de Carla Bruni. Fontes do Elisé que pediram anonimato informaram que Sarkozy confundiu Serra com FHC e por isso impediu sua consorte de participar do encontro.

Zezinho estava muito à vontade entre os dignatários franceses: "senti-me como o Fernando Henrique".

Serra também aproveitou a viagem à França para receber o Prêmio Alstrom, conferido a governantes de ética e capacidade inquestionáveis. Zezinho foi escolhido por um comitê de seleção de alto nível, composto por um dos sobrinhos de Roberto Marinho, Robson; pelo gerente de vendas da Alstrom, Gaston Mellieure; pela benfeitora da infância Deisi Kusztra; pela economista Miriam Cochonne; pela jornalista Francine de L’Herbe e por  Diogo M., importante intelectual novaiorquino.

Comentário da Tia Carmela:
Desde quando o Zezinho ouve algum aviso que dão a ele? Uma vez, quando ele era criança lá na Móoca, inventou de fazer uma cabana no quintal de casa, para ter um esconderijo secreto para brincar de conspiração com o Reinaldinho Cabeção. Arrumou um monte de caixotes e fez o Reinaldinho e uns outros meninos desmontá-los e, com a madeira, construir a tal cabana. O Zezinho só ficava dando ordens, dizendo que era o engenheiro da obra. O pai dele olhava aquilo e dizia: Zezinho, isso aí vai cair, não tem sustentação. Os meninos também falavam que ia cair. Mas o Zezinho dizia apenas: “eu sou o engenheiro aqui; trabalhem rápido que quero brincar de conspiração ainda hoje”. Quando estava quase pronta, a cabana desmoronou na cabeça do Reinaldinho. Que ainda levou umas bolachas do Zezinho por não ter trabalhado direito…

Com ciúme de Aécio, Serra dá tapa e empurrão em Reinaldinho Cabeção

2 de novembro de 2009

Em um momento de pungente humanidade, o Mais Preparado dos Brasileiros, governador Zezinho da Locomotiva da Nação, deixou-se levar por seus sentimentos e cedeu à força do ciúme. Desta vez o alvo de seu ciúme foi o governador de Minas Gerais, Aécio Neves.

O fato ocorreu durante a solenidade de inauguração do 900º pedágio do Estado. O governador Zezinho recebeu a informação de que o atual Itamar Franco do Palácio da Liberdade havia participado de um evento esportivo com lutadores de Vale Tudo e, excitado pelo clima de saúde, suor e feromônios do lugar, teria dado um tapa e um empurrão na senhora que o acompanhava ao certame.

valetudo

O cartaz do evento já está pronto.

Tal fato impressionou sobremaneira o Presidente de Nascença, que, visivelmente contrariado,  comentou com seu Secretário Especial para Assuntos da Microsoft, Paulo Renato:

– Por que deixamos o Aécio fazer isso antes? Participar de um evento de Vale Tudo seria ótimo para reforçar minha imagem pública!

– Podíamos pedir para a Globo preparar uma campeonato só para o senhor participar, governador.

– Nada disso. Vamos organizar o nosso. Tenho uma amiga que trabalha na televisão e ela entende muito de esportes e pode nos ajudar. Vou ligar para ela.

A irritação do Líder dos Economistas Lapeanos aumentou quando chegou perto dele seu jornalista de estimação, Reinaldinho Cabeção, para elogiar a qualidade da praça de pedágio sendo inaugurada:

– Parabéns, Grande Condutor do Povo Brasileiro! Este é um dos pedágios mais belos que já vi! Duvido que o Lula consiga fazer um pedágio tão bonito!

Irritado por ter sido interrompido apenas para mais uma adulação ordinária de seu jornalista de estimação, o Gênio Inconteste do Hemisfério Ocidental deu um tapa na parte oriental da retaguarda do profissional da comunicação, e empurrou o assustado jornalista para longe:

carc

Reinaldinho Cabeção chorou muito depois de apanhar.

– Reinaldinho, já falei pra você não me interromper quando estiver pensando maldade! Vá conspirar com a Miriam Cochonne um pouco e me deixa em paz!

O infeliz jornalista afastou-se com os olhos rasos de água. O Mais Gentil dos Brasileiros comentou com seu brilhante interlocutor:

– Esse Reinaldinho não aprende! Sabe que fico irritado! Agora vou ter que  encomendar a ele um texto falando mal de alguém, para ele parar de chorar!

Correligionários e admiradores ficaram enternecidos com esse momento de comovente humanidade do Grande Lançador de Luz Sobre os Ignorantes Brasileiros e comentavam:

– É, de fato, o Maior dos Brasileiros, o nosso futuro presidente: além de ser tão preparado, é uma pessoa cheia de sentimentos, espontânea, capaz de reagir como uma pessoa qualquer e, ao mesmo tempo, capaz de ter idéias excepcionais!

Comentário da Tia Carmela: O Zezinho sempre se descontrolava, lá na Móoca, quando ficava enciumado com alguma coisa que outro menino fazia. E sempre descontava no Reinaldinho Cabeção. Uma vez, no tempo do grupo escolar, teve dois meninos que brigaram na saída da escola, trocaram socos e rolaram no chão. A molecada fez uma roda para ficar assistindo e no dia seguinte só falavam disso na escola. O Zezinho morreu de ciúme porque no mesmo dia saíram as notas e ele tinha tirado 10 em tudo, até em Educação Moral e Cívica, mas ninguém ligou, pois os meninos só falavam da briga. Então o Zezinho, quando saíram da escola, começou do nada a bater no Reinaldinho Cabeção, que tomou um susto danado e começou a chorar. E o Zezinho batendo. Só parou quando o Chicão, o menino mais velho da turma, que era repetente, disse: “Ô Zezinho… Bater no Reinaldinho Cabeção não vale…”


O complô da polícia contra Serra

1 de novembro de 2009
Conspirador

Já se sabe quem é um dos líderes do complô. A Globo tomará providências.

O Guardião do Bem Comum, o sapientíssimo governador Zezinho, descobriu um terrível complô contra seu moralizante e revolucionário governo que já está transformando o Brasil em potência mundial: a polícia de São Paulo, transfomada num valhacouto de petistas, conspira contra o bem da nação, em coluio com favelados viciados na Bolsa Família implantada pelo usurpador do assento do Presidente de Nascença.

Um dos costumeiros insights de genialidade do Novo Bonifácio de Andrada fez-lhe perceber a conspiração, entre uma tuitada e outra. O Presidente Perfeito ligou dois fatos:

1) Três incidentes parecidos em três pontos distantes uns dos outros na cidade de SP: conflitos entre polícia e moradores das favelas  Paraisópolis, Tiquatira e Heliópolis.

Mercenários tentam semear a cizânia entre os homens bons

O gov. Zezinho suspeita de fogo amigo.

Nos três casos, mercenários ignorantes que se vendem por uma cesta básica utilizaram o pretexto de realizar protestos  contra o que chamaram de arbitrariedade policial, por conta do tratamento diferenciado que recebem por serem naturalmente suspeitos de crimes, para fazer a semeadura do caos nas ordeiras terras dos bandeirantes.

Nos três casos, chamou a atenção do Paladino da Concórdia Nacional a atuação patética da polícia. Apesar da voz serena e responsável da grande imprensa haver apontado que os moradores eram manipulados por traficantes, os episódios renderam críticas ingratas ao Mais Diligente dos Governantes.

2) O aumento das estatísticas da violência no terceiro trimestre de 2009.  Roubos, sequestros e latrocínios cresceram assustadoramente, segundo os números da própria polícia. O Governador sentiu-se aliviado porque ao menos um indicador melhorou: o roubo a bancos diminuiu.

O Mais Sincero dos Servidores do Povo, percebendo a armadilha que lhe armavam, imediatamente solicitou ajuda de seus  amigos. Convocou uma reunião de emergência.

Os  deputados federais criptoruralistas Arnaldo Madeira e Carlos Sampaio, do PSDB-SP, chegaram à audiência do governador trazendo uma caixa de laranjas cada um. Junto, eram portadores da notícia de que o nefando conjuro incluía também a subversiva invasão de terras federais legitimamente griladas pela Cutrale, realizada pelos inimigos da prosperidade da nação cobertos pela vermelha bandeira do MST. Tal ato demonstra que a cruel conspiração tem também a participação dos criminosos da Via Campesina e do  MST, conforme documento já encomendado à Folha de S. Paulo.

O deputado Arnaldo Madeira

O deputado Arnaldo Madeira no momento em que alertava o governador Zezinho: o MST está atentando contra a democracia e o direito à grilagem.

Um especialista tucano em segurança pública foi enviado diretamente do Rio Grande do Sul pela sua correligionária preferida, a cleptogovernadora cleptotucana Yeda Crusius, especializada em resolver conflitos com o MST.  Segundo o powerpoint do especialista,  os favelados e os falsos trabalhadores rurais organizaram os atos badernosos com o apoio de um grupo de militantes esquerdistas que opera com o nome de Os Aloprados e que possui diversos agentes infiltrados no comando das polícias civil e militar do estado. Estava comprovado ser, de fato, um enorme complô contra o Gênio da Promoção do Desenvolvimento, unindo a polícia e os moradores de algumas das maiores favelas de SP, além do crime organizado, os petistas e o MST. A equipe de contrainformação colocada à disposicão pela Rede Globo informou  a realização de  uma reunião secreta do complô, no estádio do Morumbi.

Convencido da traição contra sua sabedoria, O Homem Talhado para Levar o Brasil ao Século XXII decidiu agir rapidamente. Solicitou ao seu assessor de imprensa de estimação , o jornalista Reinaldinho Cabeção, uma nota pública a ser veiculada em rede nacional pela revista Veja. Diz a nota:

A polícia de São Paulo está  dominada por perigosos petistas infiltrados. Um complô terrível faz com que a segurança pública de São Paulo venha enfrentando problemas inadmissíveis. Não fosse isso, o governador, na condição de ser O Mais Preparado dos Brasileiros, já teria conseguido corrigir as deficiéncias da polícia, fazendo com que ela se tornasse um reflexo de sua competéncia inegável. Sendo O Mais Democrata dos Democratas, jamais aceitaria que seus subordinados tratassem com violência e preconceito os desvalidos da sociedade. Sendo Defensor das Prosperidade dos Paulistas, jamais permitiria que os preciosos bens da população ordeira e trabalhadora fossem-lhe subtraídos pelos vagabundos que vêm para este estado roubar e estragar o sistema educacional. Sendo o Demiurgo do Progresso Nacional,  jamais toleraria a complacência da polícia com o ataque aos legítimos interesses econômicos dos citroempreendedores bandeirantes. O governador pede a todos os paulistas que se mantenham calmos neste momento de transe. A Rede Globo, os jornais paulistas e a Vejinha já foram mobilizadas para destruir o complô, nem que seja preciso recorrer à presidência do STF.

Após a divulgação da nota, o Mais Paulista dos Filhos da Móoca decidiu acelerar o processo de privatização da segurança pública no estado. Foi constituído um grupo de trabalho para discutir o tema, coordenador por Zuzinha Covas, Barjas Negri e o Senador Tasso Jereissati.

Comentário da Tia Carmela: Já falei pra você que o Zezinho nunca gostou muito de pobre. Lembra da história do Baianinho, que dormia embaixo da marquise e ele queria que o guarda noturno expulsasse da rua?  Depois o Zezinho ficava falando na rua que o Baianinho e o guarda noturno tinham um complô contra ele. Na verdade, não foi a primeira vez. O Zezinho sempre achou que faziam complô contra ele. Uma vez foi reclamar com a diretora do grupo escolar, porque os meninos da sala tinham ido caçar passarinho lá pros lados da Penha e não chamaram ele. Ele falou pra diretora que eles estavam “conspirando contra ele”. A diretora caiu na gargalhada e o Zezinho passou a dizer que ela estava conspirando contra ele, também…