Revoltante: bichos são tratados como pobres em São José dos Campos

23 de janeiro de 2012
   
Causou revolta em Higienópolis a maneira como a polícia tratou cães e gatos durante a desocupação do Pinheirinho. Um verdadeiro absurdo, corrigido a tempo pelo Barão de Pindamonhangaba.
  

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, precisou interromper ontem suas orações matinais, em missa  em que pedia ajuda divina para que sua casa não caia.

O motivo foi uma manifestação em frente ao Retiro do Udenista (Caverna do Ostracismo, fundos, Higienópolis), pedindo que o Presidente de Nascença intercedesse junto a seu muy amigo, Sr. Geraldinho do Vale, contra as atrocidades que estavam sendo cometidas em São José dos Campos.

BRUTALIDADE: Perigoso pobre tentou usar cachorro indefeso como refém, mas a polícia salvou o cachorro e expulsou o bandido.

Segundo relatos, os animaizinhos presentes estavam sendo mal-tratados durante uma cotidiana operação policial para limpar o  terreno de um prócer da nação, em localidade conhecida como Pinheirinho. O terreno estava contaminado por uma perigosíssima súcia de pobres sem-teto.

Inferno e massacre

Ao que consta, os pobres animaizinhos estavam sendo enxotados de suas casas, sem nem mesmo poderem levar suas caminhas, brinquedos, ossinhos e tijelas de água e comida. “Nunca vi tratar um animal dessa maneira”, disse uma das lideranças da manifestação em frente à Caverna do Ostracismo. “Onde já se viu, a polícia confundir os bichinhos com essa gente fedorenta que profana a propriedade privada?”, teria dito outra.

Na confusão, não se podia mais diferenciar quem era bicho, quem era pobre.  Os infelizes bichinhos corriam desesperados em meio às bombas que a PM atirava para ensinar democracia à ignorante massa de pobres que infestava o lugar.

HUMILHAÇÃO: Animais presos junto a perigosos pobres no campo de concentração..

Animais idosos,  doentes, filhotes e prenhes foram obrigados a sair de suas casinhas pelos policiais.  Houve também relatos de que os policiais  roubaram os celulares de alguns dos bichos, enquanto os expulsavam.

A atrocidadde da polícia foi tal que vários animais foram feridos por balas de borracha, mas as notícias sobre mortos ou feridos até agora são desencontradas. Entretanto, fontes seguras afirmam que pelo menos quatro animais foram atendidos em clínicas veterinárias da região, causando comoção na cidade.

Final feliz

Imediatamente, o Maior dos Filhos da Mooca ligou para o Capitão-Geral da Província de São Paulo, o Barão de Pindamonhangaba, que também interrompeu suas orações piedosas.

CARIDOSA: A Baronesa de Pindamonhangaba elogiou o campo de concentraçào que o Sr. Nahas Cury, prefeito de S. José dos Campos, preparou para os pobres que infestavam a área: "pouco com Deus é muito".

O Barão de Pindamonhangaba em poucos minutos tomou as providências. Ordenou  ao Capitão-do-Mato que chefiava a tropa da polícia que seus soldados tivessem cuidado para não atingir os bichinhos presentes com seus pequenos excessos. Sempre bom cristão, ensinou que os animais eram filhos de Deus e mereciam respeito. “Todo bicho tem direito a sua casinha“, teria dito o nobre valeparaibano.

ALÍVIO: Felizmente, os pequenos excessos da polícia não feriram nenhum bichinho, só uns pobres que insistiam em emporcalhar o local.

A brava polícia paulista, então, continuou a operação de rotina, mas sem atacar ou desrespeitar os bichos.

O feitor da cidade de São José dos Campos, Sr.  Nahas Cury, também tomou providências.  Mandou organizar um campo de concentração para isolar os pobres enxotados do terreno, com um moderno piso de lama e bastante calor humano.  Depois,  comandou pessoalmente uma operação de ajuda solidária aos animais que foram vítimas do mal-entendido da polícia.   A prefeitura deverá construir rapidamente um conjunto habitacional para os animaizinhos  Até lá, os bichos foram autorizados a continuar em suas casinhas até que seja encontrada uma solução final para o problema, pois seria uma desumanidade deixá-los sem teto.

Aplausos

Os eleitores infantis paulistas apoiaram em massa a ação da Tropa da Elite da UDN..

Ao final da tarde, toda a área estava desinfestada. O Barão de Pindamonhangaba anunciou que, assim como na Cracolândia e na Favela do Moinho, mais uma área está limpa desses terríveis invasores que ameaçam o progresso da Pátria Paulista.

Uma multidão de eleitores infantis paulistas saiu às ruas, no final da tarde de ontem, para saudar a sensibilidade do Barão de Pindamonhangaba,  da UDN, dos juizes R. Capivarez e Sifrônia Faria Matar e do feitor de SJC, Sr. Nahas Cury. Portavam faixas e cartazes de agradecimento pela limpeza urbana e pelo cuidado com os animais.

O aplauso à sensibilidade da UDN paulista e joseense ultrapassou as fronteiras da Locomotiva da Nação. A imprensa internacional deu cobertura ao caso, dando destaque à  bondade dos líderes da província. No dia de hoje, em vários locais de  do Brasil, estão programados atos de apoio às medidas do governo, da justiça e da polícia paulista em respeito aos direitos dos animais.

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: A polícia paulista organizou uma festa junina no estilo da UDN para os pobres do Pinheirinho, mas teve que usar a força para fazê-los participar.

A minha tia Carmela não tem como  comentar.  Desde ontem ela só chora e repete: estou me sentido enojada. Nem conseguiu dormir, coitada.

Eu também estou enojado. É difícil fazer um texto deste tipo para denunciar um assunto tão sério sem parecer que se está brincando com a tragédia das pessoas.

Anúncios