Francine De L'Herbe agora dedica-se ao bordado e ao crochê

9 de fevereiro de 2011

Mme. De L'Herbe sempre gostou de uma vida mais relaxada.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, não pode mais contar em sua equipe com a jornalista Francine De L’Herbe, sua antiga e dileta colaboradora, que recusou-se a assumir a coordenação do Mutirão de Mucamas, alegando ter outras prioridades no momento.

O Presidente de Nascença anda acabrunhado com a estranha decisão de Mme. De L’Herbe de dedicar-se, por razões ainda ignoradas, às artes manuais.

Mme. De L'Herbe fez um belo capacete de crochê para proteger o pres. Zezinho das bolinhas de papel assassinas.

Francine De L’Herbe agora passa os dias em seu ateliê na Caverna do Ostracismo,  fazendo os mais diversos artefatos à base de fibras e outros materiais derivados do cânhamo.

Seus principais fregueses são os vizinhos na Caverna do Ostracismo. Além dos panos de prato, ela produz também toalhinhas para aparar baba, um sucesso no Retiro do Udenista, forros para as gaiolas das aves de estimação do pres. Zezinho (araponga e tucano verde) e capas de crochê para selins de bicileta para seus amigos ciclonudistas.

Nos fins de semana, Mme. De L’Herbe arruma mais algum vendendo seus artefatos em uma barraquinha na feira da Praça da República.

QUERIDINHA: Mme. De L'Herbe agora é a musa da Praça da República.

Segundo fontes lapeanas que não quiseram se identificar, o sr. Geraldinho do Vale teria arrumado a vaga na feira para Mme. De L’Herbe, o que justificaria as reuniões frequentes que têm feito e o interesse do Barão de Pindamonhangaba nas artes manuais praticadas pela  ex-jovem.

Essa aproximação estaria causando desconforto no Maior dos Filhos da Mooca. Comenta-se na Caverna do Ostracismo que o Presidente de Nascença ficou enciumado por essa proximidade entre seu muy amigo Geraldinho do Vale e sua musa da internet ética.

Mme. Francine De L'Herbe fez um belo tapete de cânhamo para o pres. Zezinho, mas ele ainda prefere o Reinaldinho Cabeção.

Mme. De L’Herbe, no entanto, nega que tenha deixado de lado a profunda amizade com o Almirante do Tietê. Ela comentou com amigos da ala descolada da UDN que continua gostando muito dele, mas tem que levar sua vida adiante: “Larguei tudo por causa do Zezinho. Ele me prometeu mundos e fundos no ano passado, e tudo que eu ganhei foi aparecer em um vídeo sem maquiagem e com cara de menina emburrada na internet. O Geraldinho do Vale é meio careta, mas pelo menos me deu uma oportunidade de reconstruir minha vida.”

Corre nos meios udenistas a informação de que Francine De L’Herbe convidou o pres. Zezinho a juntar-se a ela nessa nova fase, dizendo que agora vive sempre relaxada, e que ele deveria fazer o mesmo, para baixar o stress. Entretanto, o Maior dos Brasileiros teria respondido que tem muitas contas a acertar e não tem tempo para essas coisas de bicho-grilo.

Faz tempo que o Barão de Pindamonhangaba anda de olho no blog dela.

Apesar desta sua nova fase, a petista arrependida continua com a atividade que lhe deu mais notoriedade no meio político nacional.  À noite, depois de um último trabalho com materiais à base de cânhamo, ela segue com sua atuação no ramo de produtos químicos perigosos, destilando veneno em seu blog moderninho a serviço do pres. Zezinho.

No entanto, consta que o sr. Geraldinho do Vale anda de olho no blog dela.

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: Mme. De L'Herbe está bordando os vestidos para a próxima festa junina da UDN.

O Zezinho sempre gostou de artesanato. Naquele tempo, brinquedo era muito caro, não é como hoje que as crianças ganham um monte de brinquedos toda semana. As crianças faziam elas mesmas seu brinquedos, na maior parte das vezes. O Zezinho não era diferente: ele gostava de organizar um dia para os moleques da turma dele fazerem uns brinquedos. Na hora, começava todo mundo a fazer os brinquedos: carrinhos de lata e de carretel, pipas, espingardas de madeira, essas coisas.  Só que o Zezinho não fazia nada, só ficava dando ordens. Uma vez, ele fez isso e, no final, quis pegar pra ele um tratorzinho de lata que um moleque tinha feito. O moleque ficou furioso, disse não e quis bater no Zezinho. Deu a maior confusão e foi todo mundo embora, só ficaram o Zezinho e o Reinaldinho Cabeção, que disse pro Zezinho: “Se você quiser, eu faço um trator igualzinho ao dele pra você”.  O Zezinho pegou o trator que o Reinaldinho Cabeção tinha feito e disse: “Vou ficar com este, mesmo. É uma porcaria, mas você não vai conseguir fazer melhor”. O Reinaldinho Cabeção ficou todo feliz porque o  Zezinho quis o tratorzinho dele.