Pres. Zezinho: meu kit gay é mais rosa que o do Haddad

15 de outubro de 2012

SIMPATIZANTE: O pres. Zezinho costuma levar seu pitta de estimação para passear na parada Gay, só para vê-lo abanar o rabinho satisfeito.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, sabe que a luta política não é lugar para mariquinhas.

Por isso, o Presidente de Nascença não tem medo de enfrentar os temas mais delicados, e age como entendido nesses assuntos.

É o que ficou provado ao lançar hoje um desafio a seu oponente na eleição-treino para a prefeitura de São Paulo. O pres. Zezinho desafiou o poste do usurpador do planalto para participar de um campeonato de kits gays. E foi além, dando uma vantagem ao oponoente. Se o adversário ganhar, terá o direito de presidir a Parada Gay de São Paulo até 2015. Se o pres. Zezinho ganhar,  vai  presidir a Parada Gay de São Paulo apenas em  2013.

Segundo o Almirante do Tietê, seu kit gay é mais rosa que o de seu oponente, e tem um estilo mais contemporâneo, seguindo as últimas tendências da Sheridan Square, em NY, e das ruas de Vauxhall, em Londres. O pres. Zezinho comparou conteúdos e disse que o kit gay tucano é muito melhor: esse kit gay petista não passa da Av. Vieira de Carvalho, teria afirmado.

O pres. Zezinho revelou que, além de ser bem chinfrim, o kit gay petista continha celulares ultrapassados e dólares do mensalão.

O Mais Tolerante dos Brasileiros aproveitou o desafio para criticar a política externa dos governos petistas, dizendo que  o Brasil  deveria abrir-se mais para as parcerias com os EUA, como o Acordo Caracu EUA-Brasil, proposto por ele, e no qual o Brasil entraria com a retaguarda.  Por isso, disse  que seu kit gay tem um poster do Village People e um DVD da Gloria Gaynor, enquanto o kit gay do PT tem apenas um CD dos Secos e Molhados e uma foto pequena da Elke Maravilha.

Alguns setores da UDN assustaram-se com a destemida proposta do pres. Zezinho, temendo que ela afastasse a parte de seu eleitorado que está mais preocupada com o fiofó alheio do que com a qualidade de vida na Paulicéia.

AMIZADE E FIDELIDADE: O pres. Zezinho mandou vir do RJ um pastor que gosta de perseguir a bicharada.

Entretanto, dos caudalosos e fedorentos esgotos da Caverna do Ostracismos jorram versões tranquilizadoras. Na verdade, por trás da aparência tolerante e anti-homofóbica,  o kit gay do pres. Zezinho conteria filmes com propaganda subliminar contra a bichice. Ao vê-los, adolescentes e professores passariam a ter vontade  de discriminar os viados e assemelhados publicamente, e de chamar a bicharada de doente, possuído, pecador, anormal e outras verdades ensinadas pelo pastor $ilas Malacheia em suas prédicas cheias de caridade cristã e respeito ao próximo.

QUADRILHAGLS

QUADRILHA: A UDN paulista fez uma bela festa junina para comemorar o lançamento do kit gay do pres. Zezinho.

Assim, na verdade, o kit gay do pres. Zezinho seria um kit anti-viadagem, em uma jogada sensacional concebida pelo seu Majestoso Encéfalo para a campanha anti-viadagem  que ele vem travando ombreado (mas sem esfregar os braços) com o pastor $ilas Malacheia.

Comentário da tia Carmela

Não sei porque você ainda perde tempo querendo saber essas histórias do Zezinho quando era criança. Ele  sempre foi assim, falava uma coisa e fazia outra e acusava os outros de fazer o que ele fazia.Não mudou nada…

Anúncios

Disneylândia: ex-sábio FHC recebe Prêmio Bob Fields

16 de julho de 2012

JUSTIÇA: O prêmio fez ressurgir o interesse pelas as obras do ex-intelectual FHC.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, recebeu hoje visita de agradecimento de um dos maiores nomes da UDN: o ex-intelectual FHC.

Foi um agradecimento justo. O Presidente de Nascença deu uma grande contribuição para que o ex-sociólogo FHC recebesse a mais importante homenagem de sua carreira.

Trata-se do Prêmio Bob Fields, que o ex-pensador FHC recebeu na semana passada, em concorrida cerimônia na Disneylândia.

O Prêmio é oferecido a lideranças intelectuais e políticas latino-americanas que tenham dado grandes contribuições ao desenvolvimento de laços bem apertados entre os EUA e as repúblicas de banana ao sul do Rio Grande.

ESTADISTA: O ex-sábio FHC sempre soube colocar o Brasil em seu justo lugar no concerto das nações.

Além da bela estatueta e das palmas dos funcionários da portaria da Disneylândia, o ex-luminar ganhou um autógrafo do Mickey e uma sacola com 1 milhão de razões para continuar ajudando a UDN com suas ideias só comparáveis às do Maior dos Filhos da Mooca.

Após receber o venerável galardão reservado aos verdadeiros heróis da América, o segundo maior dentre os udenistas junta-se a outras importantes lideranças latino-americanas, como seus inspiradores Menem, Fujimori e Uribe.

No caso do ex-cdf FHC, a premiação foi pelo conjunto da obra. O incomparável ex-sabetudo é celebrado pela sua Teoria da Subserviência, também conhecida nos meios acadêmicos como Teoria da Retaguarda Inclinada, em que demonstra a inevitabilidade do Acordo Caracu EUA-Brasil, no qual o Brasil entraria com a segunda parte.

Homem de ideias e de ações, o ex- sábio também foi reconhecido pelos líderes da Disneylândia por ter, durante seu governo, promovido várias iniciativas para a implementação desse grandioso tratado bilateral. Infelizmente, a conspiração vermelha do usurpador do planalto fez com que o luminoso governo do ex-líder FHC terminasse sem ter implantado o Acordo Caracu EUA-Brasil, com o Brasil dando a retaguarda para a entrada dos EUA.

DESPEITO: Segundo o líder da bancada dos insetos da UDN, Sr. Aleluia, o usurpador do planalto mandou comprar 50 títulos honoris causa para compensar o Prêmio Bob Fields recebido por FHC. (Clique na foto para recordar.)

No seu discurso ao receber o Prêmio Bob Fields, o ex-iluminado FHC lembrou que só estava ali recebendo aquele prêmio graças à generosa contribuição de muitos udenistas, e fez questão de destacar e agradecer a enorme contribuição do Almirante do Tietê em seu governo.

Distinção

Face a seu enorme brilhantismo, o ex-sabichão FHC recebeu o Prêmio Bob Fields diretamente das mãos de importante assessor do Imperador Obama, o Sr Pato Donald, que acumula os cargos de responsável pelas relações com a UDN e faxineiro-junior da Casa Branca.

ALTIVEZ NACIONAL: O Prêmio Bob Fields é a maior honra que um brasileiro descalço pode receber.

Compareceram à concorrida cerimônia, entre outros, o Sr. Tio Patinhas, representando a ABAUDN (Associação dos Banqueiros da UDN), o senador Tancredo Neves (UDN-RJ), o imortal Sr.Merdoval Pedreira, representando a ABJP (Associação Brasileira dos Jornalista de Programa) e uma delegação de orgulhosos eleitores infantis paulistas. Vários moradores do Retiro do Udenista (Caverna do Ostracismo, fundos, Higienópolis) também foram ao evento, à falta de outra coisa para fazer.

O assessor para assuntos propinoviários do pres. Zezinho, Sr. Paulo Caixa Preta Dois, tentou comparecer, mas acabou não indo à cerimônia. Solícito, ofereceu-se para carregar o prêmio, mas o ex-sábio FHC proibiu-o de deixar o Brasil e de abrir a boca no Congresso Nacional.

Por razões de segurança, não foi possível encerrar a cerimônia com a tradicional queima de fogos de artifício.

QUADRILHA: A UDN fez uma bela festa junina após receber entusiamadamente o ex-pensador FHC em sua volta da Disneylândia.

Mas não foi problema, pois em seu lugar foi apresentado o lançamento de um vídeo em 3D de uma bela explosão de um foguete do programa aeroespacial brasileiro, em gravação inédita da da CIA (Caracu Inteligency Agency). As cenas do vídeo levaram os presentes às lágrimas, em meio ao congraçamento geral.

Comentário da tia Carmela

O Zezinho deve estar se roendo de inveja. Não tanto pelo prêmio, mas por causa do milhão de dólares que o FHC ganhou…


Escândalo: UDN denuncia ponte inacabada sobre o Rio Negro

24 de outubro de 2011

Lideranças da UDN de todo o Brasil, sob a batuta sempre firme do Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, criticaram duramente a nova obra faraoamazônica do lulopetismodilmismo: a ponte sobre o Rio Negro, ligando Manaus a Iranduba.

REVOLTA: os eleitores infantis paulistas criticaram a obra e disseram que a ponte Onestes Quercia é mais bonita e não serve de caminho para índio e onça.

O Presidente de Nascença e o grande poeta romano-manauara, Virgílius, anteciparam-se à Revista Mais Vendida do Brasil e denunciaram o novo escândalo que promete acabar com o governo da usurpadora-mirim do planalto.

Os dois encabeçaram manifesto criticando o desperdício de dinheiro público. O pres. Zezinho lamentou a decisão do governo e disse que não faz sentido construir  uma ponte de 3,6 km em um fim-de-mundo como a Amazônia, quando ainda há tanto a fazer nos lugares civilizados do país (Higienópolis, Curitiba, Leblon e Barra do Sahy).

INJUSTIÇA: O Maior dos Filhos da Mooca já havia investido uma importante soma na festa de lançamento da bela maquete da ponte Santos-Guarujá, mas o Barão de Pindamonhangaba jogou a maquete fora.

Segundo a nota, o governo federal faria melhor se construísse a ponte Guarujá-Santos, facilitando a vida da gente bonita paulistana em suas idas à  Pérola do Atlântico.

O sr. Geraldinho do Vale,  sucessor e muy amigo do pres. Zezinho, não deu continuidade à obra para poder construir um propinoduto, ligando assembléia legislativa paulista  à sede estadual da UDN.

Obra incompleta faz udenistas sofrerem síncope

A UDN também criticou o fato de que a obra foi entregue incompleta. Segundo a nota “é revoltante que uma obra dessa envergadura seja entregue sem as cabines de pedágio”.

GATO ESCALDADO TEM MEDO DE AMBULANCIA: Várias ambulâncias foram chamadas à Caverna do Ostracismo, mas muitos evitaram se comprometer e foram de táxi ao hospital.

Ao serem informados de que a ponte não teria cobrança de pedágio, vários moradores do Retiro do Udenista, na Caverna do Ostracismo, fundos, passaram mal e tiveram que ser socorridos ao Hospital Samaritano.

Já o poeta Virgílius assumiu um tom bucólico em seus comentários. De maneira enigmática, sentado em um canto da Caverna do Ostracismo, Virgílius comentou:  “Feliz aquele que conseguiu compreender a causa das coisas.”  Indagado sobre o sentido de sua frase, o poeta foi diplomático: “agora compreendi porque o povo do Amazonas me abandonou e fui obrigado a trabalhar novamente…”

QUADRILHA: A UDN fez uma bela festa junina na Ponte Onestes Quercia, em desagravo contra a gastança de dinheiro público.

Comentário da tia Carmela

O Zezinho nunca gostou de ponte. Quando ele era menino, ele gostava de ir brincar com os amigos lá na Água Rasa. Eles gostavam de jogar bola em um campinho que ficava perto do córrego. Para chegar ao campinho, era preciso atravessar o córrego, mas não tinha ponte e o pessoal colocava uma  tábuas para poder passar. O Zezinho e os amigos dele uma vez ficaram nos dois lados da ponte e cobravam um cruzeiro de cada moleque que queria passar nas tábuas pra jogar bola no campinho.  Mas uns moleques que moravam ali perto disseram que ninguém ia pagar coisa nenhuma e mandaram a turma do Zezinho embora.  Como vingança, o Zezinho e sua turma volta e meia iam lá e tiravam as tábuas que serviam de ponte, para ninguém conseguir atravessar.


Churrasco do Pres. Zezinho na Caverna do Ostracismo foi um sucesso total

15 de maio de 2011

ESPECIALISTA: A cleptoprenda da Caverna Ostracismo acendeu o fogo e assou as carnes.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, ofereceu ontem um maravilhoso churrasco em sua atual residência, na Caverna do Ostracismo, fundos, no simpático bairro paulistano de Higienópolis.

O Presidente de Nascença convidou para o evento alguns dos principais líderes da UDN, e a maioria compareceu animadíssima.

O churrasco atraiu muita gente de bons odores para Higienópolis. O primeiro a chegar foi o seu ex-menino de recados, Sr. Bob Freire que, como é de conhecimento geral, não perde uma boquinha por nada desse mundo.

Outro importante correligionário da UDN que, logo no começo, já estava grudado na churrasqueira esperando sair qualquer coisa foi o Sr. Maciel, um mapa do Chile sem função que foi largado na Caverna do Ostracismo em fevereiro. O Sr. Maciel aparentava estar faminto, já que falharam suas tratativas com o pitta de estimação do pres. Zezinho, que lhe oferecera uma boquinha.

Uma gentalha petista tentou estragar o evento, fazendo arruaça nas cercanias da Caverna do Ostracismo, como se vê no vídeo abaixo:

Essa gente diferenciada era apenas um punhado de desocupados, e os eleitores infantis do bairro não deram ouvidos a eles.

MIOPIA: Petistas e míopes viram centenas de pessoas na arruaça, mas o jornalista macrocéfalo corrigiu e disse que eram apenas 30 pares.

Segundo um importante jornalista macrocéfalo, os baderneiros eram apenas trinta pares compostos por um maconheiro e um petista, ainda por cima traidores de classe que, revoltados com seus pais, resolveram sair fazendo arruaça por aí.

Prestígio na imprensa

Além dos importantes udenistas que compareceram,  também se notava a presença de muitos jornalistas de programa.  Circulando com desenvoltura na Caverna do Ostracismo, os periodistas eram só elogios à iniciativa do Maior dos Filhos da Mooca.

A mais empolgada era a Sra. Elaine Tacanhede, que fazia a cobertura ao lado de seu marido, antigo serviçal do pres. Zezinho.  A importante feromonornalista declarou, logo ao entrar: isto sim é cheiro de churrasco! Lá fora aquela gente está fazendo um churrasco que fede a sebo! Eles nem devem saber onde é a Bassi, disse ela, horrorizada com a gentalha diferenciada que badernava do lado de fora.

FETICHE: Certos jornalistas fazem qualquer coisa para participarem dos eventos da UDN.

A nota triste do evento foi o desentendimento entre o bhost-righter do pres. Zezinho, sr. Reinaldinho Cabeção, e o  Cachorro-Lagosta. O importante líder udenocanino não gostou da brincadeira que o jornalista das 50 mil razões fez. Reinaldinho Cabeção compareceu ao churrasco vestido com uma fantasia de lagosta, e o simpático cãozinho perdeu a fleuma.  Investiu contra o jornalista das 50 mil verdades, gritando: “o único quadrúpede udenista que pode usar roupa de lagosta sou eu!”e aplicou vigorosa mordedura na flácida nádega direita do Sr. Reinaldinho Cabeção.

Sempre preocupado com a harmonia e a concórdia, o pres. Zezinho deu uma reprimenda nos dois brigões. Disse que o Cachorro-Lagosta devia se comportar melhor, e mandou-o para a casinha, pensar no que fez. Para o Sr. Reinaldinho Cabeção, o Almirante do Tietê disse: “Quantas vezes já lhe falei para deixar essas fantasias de lado? Por isso você vive passando vergonha por aí. Todo mundo ri da sua cara por causa dessas suas fantasias idiotas!”

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: Nas festas juninas da UDN, a barraca do churrasco e a quadrilha sempre estão presentes.

O Zezinho sempre gostou de churrasco. Uma vez, fizeram um churrasco na vizinhança, e ele foi com o Reinaldinho Cabeção e com um amiguinho deles, o Marquinho, um menino tão magrinho que, coitado, acho que estava passando necessidade.  Eles comeram tanto no churrasco, que o dono da casa uma hora teve que falar pra eles deixarem alguma coisa para os outros. Aí o Zezinho ficou bravo e disse que isso era um absurdo, onde já se viu, ele era o convidado mais importante. O Reinaldinho Cabeção logo emendou, dizendo que aquele era um churrasco  de uma gente muito chinfrim e que eles deviam agradecer pelo Zezinho estar lá. E começou a botar defeito no churrasco, dizendo que a carne era ruim, as bebidas estavam quentes, as pessoas estavam mal vestidas… Enquanto isso, o Marquinho aproveitou a confusão e, discretamente, pegou uns espetinhos e saiu correndo pra fazer sua boquinha escondido…


Francine De L'Herbe agora dedica-se ao bordado e ao crochê

9 de fevereiro de 2011

Mme. De L'Herbe sempre gostou de uma vida mais relaxada.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, não pode mais contar em sua equipe com a jornalista Francine De L’Herbe, sua antiga e dileta colaboradora, que recusou-se a assumir a coordenação do Mutirão de Mucamas, alegando ter outras prioridades no momento.

O Presidente de Nascença anda acabrunhado com a estranha decisão de Mme. De L’Herbe de dedicar-se, por razões ainda ignoradas, às artes manuais.

Mme. De L'Herbe fez um belo capacete de crochê para proteger o pres. Zezinho das bolinhas de papel assassinas.

Francine De L’Herbe agora passa os dias em seu ateliê na Caverna do Ostracismo,  fazendo os mais diversos artefatos à base de fibras e outros materiais derivados do cânhamo.

Seus principais fregueses são os vizinhos na Caverna do Ostracismo. Além dos panos de prato, ela produz também toalhinhas para aparar baba, um sucesso no Retiro do Udenista, forros para as gaiolas das aves de estimação do pres. Zezinho (araponga e tucano verde) e capas de crochê para selins de bicileta para seus amigos ciclonudistas.

Nos fins de semana, Mme. De L’Herbe arruma mais algum vendendo seus artefatos em uma barraquinha na feira da Praça da República.

QUERIDINHA: Mme. De L'Herbe agora é a musa da Praça da República.

Segundo fontes lapeanas que não quiseram se identificar, o sr. Geraldinho do Vale teria arrumado a vaga na feira para Mme. De L’Herbe, o que justificaria as reuniões frequentes que têm feito e o interesse do Barão de Pindamonhangaba nas artes manuais praticadas pela  ex-jovem.

Essa aproximação estaria causando desconforto no Maior dos Filhos da Mooca. Comenta-se na Caverna do Ostracismo que o Presidente de Nascença ficou enciumado por essa proximidade entre seu muy amigo Geraldinho do Vale e sua musa da internet ética.

Mme. Francine De L'Herbe fez um belo tapete de cânhamo para o pres. Zezinho, mas ele ainda prefere o Reinaldinho Cabeção.

Mme. De L’Herbe, no entanto, nega que tenha deixado de lado a profunda amizade com o Almirante do Tietê. Ela comentou com amigos da ala descolada da UDN que continua gostando muito dele, mas tem que levar sua vida adiante: “Larguei tudo por causa do Zezinho. Ele me prometeu mundos e fundos no ano passado, e tudo que eu ganhei foi aparecer em um vídeo sem maquiagem e com cara de menina emburrada na internet. O Geraldinho do Vale é meio careta, mas pelo menos me deu uma oportunidade de reconstruir minha vida.”

Corre nos meios udenistas a informação de que Francine De L’Herbe convidou o pres. Zezinho a juntar-se a ela nessa nova fase, dizendo que agora vive sempre relaxada, e que ele deveria fazer o mesmo, para baixar o stress. Entretanto, o Maior dos Brasileiros teria respondido que tem muitas contas a acertar e não tem tempo para essas coisas de bicho-grilo.

Faz tempo que o Barão de Pindamonhangaba anda de olho no blog dela.

Apesar desta sua nova fase, a petista arrependida continua com a atividade que lhe deu mais notoriedade no meio político nacional.  À noite, depois de um último trabalho com materiais à base de cânhamo, ela segue com sua atuação no ramo de produtos químicos perigosos, destilando veneno em seu blog moderninho a serviço do pres. Zezinho.

No entanto, consta que o sr. Geraldinho do Vale anda de olho no blog dela.

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: Mme. De L'Herbe está bordando os vestidos para a próxima festa junina da UDN.

O Zezinho sempre gostou de artesanato. Naquele tempo, brinquedo era muito caro, não é como hoje que as crianças ganham um monte de brinquedos toda semana. As crianças faziam elas mesmas seu brinquedos, na maior parte das vezes. O Zezinho não era diferente: ele gostava de organizar um dia para os moleques da turma dele fazerem uns brinquedos. Na hora, começava todo mundo a fazer os brinquedos: carrinhos de lata e de carretel, pipas, espingardas de madeira, essas coisas.  Só que o Zezinho não fazia nada, só ficava dando ordens. Uma vez, ele fez isso e, no final, quis pegar pra ele um tratorzinho de lata que um moleque tinha feito. O moleque ficou furioso, disse não e quis bater no Zezinho. Deu a maior confusão e foi todo mundo embora, só ficaram o Zezinho e o Reinaldinho Cabeção, que disse pro Zezinho: “Se você quiser, eu faço um trator igualzinho ao dele pra você”.  O Zezinho pegou o trator que o Reinaldinho Cabeção tinha feito e disse: “Vou ficar com este, mesmo. É uma porcaria, mas você não vai conseguir fazer melhor”. O Reinaldinho Cabeção ficou todo feliz porque o  Zezinho quis o tratorzinho dele.


Carnaval da UDN: deputado-mirim é novo líder da ala das baianas

5 de fevereiro de 2011

O pres. Zezinho gostou da nova fantasia do deputado-mirim.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, segue sendo bem sucedido em seu generoso trabalho de pacificação e fortalecimento da UDN em todo o Brasil.

Nesta semana, o Presidente de Nascença obteve uma nova vitória. Mais um importante cargo de direção da UDN foi preenchido em clima de harmonia, paz e congraçamento.

Desta vez, tratou-se da escolha do novo líder da ala infantil das baianas da Escola de Samba Unidos da UDN, importante agremiação político-carnavalesca de Higienópolis.

Tancredo Neves (direita) está fazendo tudo para levar o efebo para conhecer sua pirâmide administrativa em BH.

O escolhido foi o deputado-mirim TPM Nato, ainda jovem, porém um quadro importante no udenismo soteropolitano. O portátil udenista fez carreira no circuito Barra-Ondina, e agora pretende continuar a fazer carreira na Unidos da UDN.

Essa preocupação com uma boa carreira o aproximou do faraó minésio, sr. Tancredo Neves, que compartilha com TPM Nato os mesmos ideais de carreira.

Reações

Quem não gostou muito da escolha do efebo-udenista foi o pitta de estimação do Almirante do Tietê, que queria que um amigo seu fosse o novo líder da ala infantil das baianas.

A velha guarda da UDN também abençoou a candidatura do precoce líder das baianas impúberes.

Preocupado com seu pitta de estimação, que tem ameaçado fugir de casa, o pres. Zezinho chegou a pensar em usar a confiança e respeito que desfruta entre seus colegas udenistas para intervir na eleição. Mas, em nome da unidade da UDN, preferiu abençoar o escolhido e comprar uma coleira mais forte para seu pet.

Segundo fontes próximas, o Maior dos Filhos da Mooca teria declarado, durante partida de bocha no Retiro do Udenista (sito à Caverna do Ostracismo, fundos),  que apoiou o deputadinho  em nome da unidade da UDN, mas que pessoalmente estava triste.

Na verdade, o pres. Zezinho estaria meio enciumado, pois teria comentado: “no ano passado, esse moleque passou o carnaval comigo, em Salvador; agora, já está fazendo a maior folia com o Tancredo…”

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: A ala infantil da UDN comemorou a eleição do minideputado com uma festa junina em um buffet infantil da V. Madalena.

O Zezinho sempre gostou de baiana. Quando era criança, uma vez ele viu um livro sobre tipos folclóricos brasileiros e gostou das baianas quituteiras. Aí ele teve uma idéia. Pediu para a mãe dele fazer um bolo. E convenceu o Reinaldinho Cabeção a ficar na rua vendendo os pedaços do bolo, dizendo que eram quitutes baianos. Arrumou uma tábua de tabuleiro e mandou o Reinaldinho Cabeção se enrolar em uns lençóis e panos brancos, como se fosse uma baiana. Não chegou a vender nada, porque uns moleques passaram na rua e viram o Reinaldinho Cabeção de baiana e começaram a gozar da cara dele. O Reinaldinho Cabeção falou para os moleques:  “mas foi o Zezinho quem mandou…”, e aí eles riram mais ainda, e tomaram o bolo do Reinaldinho Cabeção, que voltou chorando pra casa enquanto o Zezinho ficou de longe gargalhando. No dia seguinte, o Reinaldinho Cabeção foi procurar o Zezinho e disse: “Zezinho, quer que eu me vista de baiana novamente e a gente tenta vender outro bolo?”


Pres. Zezinho pacifica a UDN

28 de janeiro de 2011

Cultura da paz: O Dalai Lama riu muito com as piadas do pres. Zezinho.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, é um amante da paz, da harmonia e da concórdia. Sempre pregando a paz, construiu uma carreira política sólida que o credenciou como a maior liderança política da UDN e da Nação Brasileira.

Amante da paz, o Presidente de Nascença vinha manifestando a assessores mais próximos sua preocupação com as belicosas manifestações de alguns setores da UDN. Esses setores vinham se articulando para uma estratégia de guerra fratricida.

Manso como uma pomba, e firme como um leão, o Gandhi do Alto de Pinheiros resolveu agir e articulou, com apoio de seus companheiros da Caverna do Ostracismo, fundos, um movimento pela unidade da UDN que acabou com a cizânia.

Apesar de ser um pacifista, o Cachorro-Lagosta se diz pronto para a guerra, se precisar.

Apesar de sua liderança inconteste possibilitar-lhe ser escolhido por aclamação para todos os principais cargos de direção da UDN simultaneamente, a modéstia e o espírito pacificador do pres. Zezinho falaram mais alto.

Avesso a cargos e ao poder, o Almirante do Tietê anunciou que não pretende ocupar nenhum cargo, esvaziando a articulação da minoria da UDN que desejava declarar guerra à sua brilhante liderança.

Mostrando desprendimento que só os grandes homens possuem, o Maior dos Brasileiros designou para presidir a UDN o sr. Cachorro-Lagosta, experiente quadro udenocanino caracterizado pela mansidão, lealdade e simpatia.

A insistência da minoria sem representatividade em levar a guerra às últimas consequências despertou no Maior dos Filhos da Mooca uma ira santa. A ávida sanha dos seus opositores pelo poder chegou até o Instituto Menestrel das Alagoas e Alagados, importante think tanque udenista. Dada a inegável superioridade de seu Majestoso Encéfalo, o Presidente de Nascença seria a pessoa mais indicada para dirigir este centro de estudos que é o  pólo irradiador de sabedoria aquática.

O pres. Zezinho gosta de coração de estudante desde criança.

Mas, novamente, o Almirante do Tietê abdicou da honraria e  indicou o sr. Milton Nascimento para a presidência, agradando, assim, a sessão mineira da UDN. O instituto passará a funcionar em sua nova sede, na Av. Marginal Serra, em São Paulo. A medida também resolveu o velho complexo de inferioridade mineiro, pois  Tancredo Neves teria afirmado, ao olhar para fora da janela do edifício: “não é igual a Copacabana, mas já é um quase um mar”.

A operação de pacificação completou-se com a definição da liderança da UDN na Câmara dos Deputados.  Com o auxílio de seus muy amigos Tancredo Neves e Geraldinho do Vale, o Pacificador da  Nação articulou um manifesto subscrito pela quase totalidade da bancada, defendendo a candidatura do sr. D. Nojeirinha Junior, de tradicional famiglia udenoruralista da Califórnia.

Mão grande e benta: os novos dirigentes da UDN foram abençoados pelo pres. Zezinho (direita).

Apenas o sr. Aluísio Biggs de Oliveira opôs-se à iniciativa, defendendo que o próprio pres. Zezinho deveria ocupar a liderança na Câmara, mesmo não sendo deputado, mas o sr. Paulo Caixa Preta 2 (assessor para assuntos propinoviários do pres. Zezinho) deu-lhe 300 mil razões para mudar de idéia.

Com esses movimento hábeis, o Maior dos Brasileiros conseguiu seu objetivo: manteve a UDN uma agremiação pacífica e harmoniosa, com a imensa maioria de seus membros devotando-se a mais profunda admiração e respeito. Demonstrou que não precisa de cargos, pois seus indicados assumiram as principais funções na UDN, mas continuará sendo ele o Iluminado Guia que conduzirá a UDN até onde a maioria dos brasileiros deseja vê-la.

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: UDN comemorou com uma bela festa junina em volta da fogueira das vaidades.

O Zezinho sempre gostou de brincar de guerra. Ele e os moleques pegavam uns cabos de vassoura e diziam que eram fuzis, e usavam as panelas das mães como capacete. O Zezinho sempre queria ser da turma dos americanos, e no meio da brincadeira, em vez de fingir que atirava com o cabo de vassoura, saía correndo atrás dos moleques batendo com o cabo de vassoura na cabeça deles e gritando “guerra é guerra,  quem não é meu amigo se ferra!” O Reinaldinho Cabeção ia atrás, tentando fazer o mesmo, mas sempre algum moleque pegava ele e dava uma surra. Ele apanhava por ele e pelo Zezinho…